Fundada em 1818 pelo comerciante António Manuel Sizudo e com a colaboração do Padre Estevens, a Phylarmonica Torreense, conhecida como a banda mãe da atual Banda de Música, acompanhou as tropas do Marechal de Saldanha até à famosa Batalha de Asseiceira em 1834. Passou por conjunturas históricas divergentes, como as Lutas Liberais (1820-1834), a Implantação da República (1910) e a Primeira Grande Guerra (1914-1918) afetando o papel da filarmónica na sociedade.

Em 1925 a Phylarmonica Torreense atravessava sérias dificuldades, pondo em questão a extinção da mesma. Visto que a banda já tinha por hábito acompanhar o Corpo de Bombeiros nas suas cerimónias, propuseram à Associação de Bombeiros Voluntários de Torres Vedras a possibilidade da sua agregação.
A 1 de Maio de 1926 a Phylarmonica Torreense já agregada à Associação de Bombeiros Voluntários de Torres Vedras passou a designar-se de Banda de Música da Associação de Bombeiros Voluntários de Torres Vedras.

Na década de 40 a banda realizou concertos radiodifundidos pela Emissora Nacional.
No ano de 1975 é condecorada com o Diploma de Serviços Distintos, homenageada pela Câmara Municipal de Torres Vedras. E em 1985, é condecorada mais uma vez pela Câmara com uma Medalha de Ouro do concelho pelos relevantes serviços prestados.

Em 1991 desloca-se à Alemanha, a convite da Musikverein-Sdatkapelle Sindelfingen, onde realizou diversos concertos. No ano seguinte, deslocou-se a França, à cidade de Villenave d’Ormon, tendo atuado também em Bordéus na Feira Internacional.

Em 2005 a banda de música desloca-se aos Açores, a convite da Sociedade Filarmónica Unânime Praiense, mais especificamente na Praia da Almoxarife e na cidade da Horta onde atuou diversas vezes.

Em 2010 colabora com a Câmara Municipal de Torres Vedras na inauguração do Mercado Municipal, acompanhando a banda de rock portuguesa GNR.

Em 2012 realiza o primeiro grande evento do ano com o concerto de Ano Novo realizado no Teatro-Cine de Torres Vedras, acompanhando a prestigiada cantora Anabela Pires. Nesse mesmo ano toma a iniciativa de organizar o I Estágio de Orquestra de Sopros e Direção Musical. Contando com 70 participantes das bandas filarmónicas do concelho de Torres Vedras e outras bandas filarmónicas nacionais.

No ano seguinte, realiza o segundo concerto de Ano Novo no pavilhão Multiusos de Torres Vedras num Tributo ao Festival da Canção, acompanhando três cantores relevantes no panorama musical português – Fernando Tordo, Vânia Fernandes e Rui Drumond.

Em 2014, realiza o Concerto de Ano Novo de Tributo a Queen acompanhada pela banda portuguesa One Vision e Camerata Vocal de Torres Vedras, alcançando cerca de 2000 espetadores. Ainda nesse ano organiza o II Estágio de Orquestra de Sopros Veteras e Direção Musical. Tendo sido mais uma vez um sucesso com 87 participantes para uma semana intensa de formação musical, culminando num concerto.

No Verão do mesmo ano, a banda desloca-se a Zamora (Espanha) no âmbito do I Certame Internacional de Bandas de Música “Armónico”, concorrendo à 2ª categoria com mais quatro bandas filarmónicas, obtendo o 1º prémio com a pontuação de 561 em 600 pontos.
Desde a sua agregação à associação foram vários os maestros que passaram pela banda de música: Tenente Costa Brás, Manuel Vargas, Dr. Francisco Xavier de Melo, Dr. António Reis, Joaquim Luís, Emílio Ferreira, António de Amorim Pereira, Major Mário José da Costa Marques e Tenente – Coronel João Monteiro da Silva.
Atualmente é dirigida pelo maestro Rui Miguel de Araújo e Silva, sendo constituída por 66 elementos com idades compreendidas entre as 11 e os 75 anos, sendo de realçar o elevado número de jovens.

Nas suas instalações encontra-se a funcionar uma Academia de Música com cerca de 56 alunos e 9 professores especializados em cada classe de instrumento, tendo como objetivo a formação musical e instrumental.